​“DANDO MILHO AOS POMBOS”

  • 21/05/2024
  • 1 Comentário(s)

​“DANDO MILHO AOS POMBOS”

PONTO de VISTA

HELIO VAZ – PRÉ CANDIDATO A VEREADOR

O “Calo do Nicanor” – Ditado das antigas, mas que cabe muito bem nos dia atuais em que vivemos.

São Francisco do Sul, a cidade onde Santa Catarina nasceu. Mais de 520 anos se passaram desde o seu descobrimento. De Binot Palmier de Goneville (1504) até 2024 era da tecnologia, muitas histórias/estórias foram contadas, muitas verdades foram ditas, mas tambem, muitos “contos do vigário” foram aplicados.

Por falar em “Conto do Vigário” - Por algum raio de motivo “São Chico” continua travada, parece uma estrada cheia de curvas e lombadas, que requer muita paciência e atenção ao transitar. Sem poder acelerar, segue devagar quase parando.

PORTO

O setor portuário vai muito bem obrigado, continua com alto índice de movimentação de produtos, tanto na exportação quando na importação, tendo como destaque a movimentação de grãos (agronegócio). Já o setor turístico continua capenga, rastejando, estagnado nos 5% da arrecadação do municipio. Poderíamos até entender esta disparidade, se não tivéssemos tantas belezas naturais em nosso municipio. Praias belíssimas, Ilhas, Centro Histórico (tombado pelo Iphan), enfim, vários atrativos, os quais naturalmente poderiam atrair turistas do mundo inteiro, o ano todo, mas porque as coisas não acontecem, porque setor turístico não passa do Canal do Linguado.

CANAL DO LINGUADO

Quando vamos construir uma casa, nos preocupamos em reforçar a sua base, não iniciamos a obra pela cobertura, simples assim. Então, São Francisco do Sul não teve um planejamento adequado, nem foi tratado com o carinho e atenção que a cidade merece. Desde 1935- com o fechamento do “Canal do Linguado” – o Municipio não é ILHA, no entanto é tratada como se fosse. Desde então foram criados os “Calos do Nicanor”. Após este Crime Ambiental, lama, dejetos e a agua do mar, não tem por onde sair, resultando no assoreamento da Baia Babitonga, e os sequentes alagamentos na cidade vizinha, Joinville, tendo o Rio Matias como referência.

DUPLICAÇÃO DA BR 280

Outro problema que afeta diretamente São Francisco do Sul é a demora para a conclusão da Duplicação da BR 280 – que inicia no Porto e se estende até a cidade de Jaraguá (trecho de 73 KM) aproximadamente. A rodovia é o único acesso terrestre de São Francisco do Sul e região norte/nordeste do estado, vive sobrecarregada com o trafego intenso de veículos, trazendo consequências graves com acidentes fatais e congestionamentos constantes. A falta da duplicação da BR 280 é sem sombra de dúvidas um dos maiores gargalos que a cidade enfrenta, afetando diretamente a infraestrutura portuária e turística, consequentemente impactando diretamente na economia do municipio.

CONTORNO FERROVIARIO

Outro problema viário, é a Malha Ferroviária construída a séculos atrás, deveria já ter mudado o seu traçado. As passagens de nível tem trazido sérios transtornos ao sistema viário da cidade, com os bloqueios das vias nos momentos que os trens fazem suas manobras. Necessárias, mas o bloqueio das passagens provoca o colapso no funcionamento da cidade, que fica dividida em duas partes, impedindo o deslocamento de pessoas e do transporte coletivo urbano. O Projeto “Contorno Ferroviário” – iniciado em 2003 continua com as obras paradas e sem previsão de reiniciar. Deste projeto restou somente a “Mesa de Sinuca”, na SC 415.

3ª FAIXA – SC 415

O crescimento populacional de São Francisco do Sul, merece maior atenção dos nossos governantes – dar a importância que a cidade merece. Melhorar a mobilidade urbana é uma delas. A SC 415 do trevo da entrada para as praias, precisa urgentemente de melhorias, uma terceira faixa pelo menos até o Rocha Top (Reta) – para o transito pesado dar maior liberdade ao transito leve, se faz necessário. Já o acostamento requer reparos em toda a extensão da SC 415 e Rodovia Duque de Caxias, Ubatuba, (divisa da Enseada).

REVITALIZAÇÃO DA ORLA DA ENSEADA

Não bastasse todos estes empecilhos, surge outro no “apagar das velas”. O prefeito Godofredo Gomes Moreira, abandonou por mais de três anos os nossos balnearios. Então decidiu reeditar o Plano 1000 do ex governador Moises, vem empurrando goela abaixo da comunidade, o projeto mal fadado, sem consulta popular denominado “Revitalização da Orla da Enseada” Avenida Atlântica. No meu ver, uma obra eleitoreira, mal planejada, que começou mal, com tendência de piorar. Sobre este “Gato Ensacado” do Godo só podemos dizer que um governante quando não consegue, enxergar, ouvir e emudece aos apelos daqueles que o elegeram, tem uma grande tendência de ter sua carreira política amputada.

PLANO DIRETOR

Ao concluir nosso “Ponto de Vista”, não poderíamos deixar de citar a falta da aprovação da Revisão do Plano Diretor que se encontra na Câmara de Vereadores. Um instrumento de suma importância para o crescimento sustentável do municipio, que se encontra engavetado, devido ao impasse criado pelo legislativo municipal. Enquanto nós continuamos aqui, dando “Milho aos Pombos”.


#Compartilhe

1 Comentários


Deixe seu comentário








Marcos Antonio Martins

21/05/2024

Parabéns Hélio, sábias palavras

Aplicativos


Locutor no Ar

Peça Sua Música

Anunciantes